Dizer não às crianças no Natal lhes permite amadurecer intelectualmente e emocionalmente

  March, 2020  

Dizer não às crianças no Natal lhes permite amadurecer intelectualmente e emocionalmente

O frenesi consumista é vivido por adultos e crianças, os adultos são claros (pelo menos a maioria) de que devemos nos resignar a certos desejos impossíveis de realizar, aprendemos a viver com a frustração de ver nossos desejos consumistas realizados. No entanto, uma criança pode não entender que você não pode ter tudo o que deseja e que existem muitas razões para isso, de acordo com especialistas, os adultos não devem ter medo de não satisfazer os desejos de certas crianças dizendo não .

Os especialistas indicam que as crianças devem aprender, como fizeram os adultos, a viver com a frustração de não conseguir o que querem, de fato, esse sentimento acompanhará a criança ao longo de sua vida e quanto mais cedo ela a aprender melhor. Estar preparado psiquicamente para isso é algo que os pais devem ensinar aos nossos filhos, tentar fazer com que os pequenos adquiram hábitos de consumo responsáveis ​​longe do consumo compulsivo, também não permita que os filhos influenciem as compras que devemos fazer. É evidente que as compras compulsivas são guiadas pela situação, pelo momento e pela publicidade; o Natal se tornou muito mais do que uma reunião de família ou a comemoração do nascimento de Jesus; de fato, tornou-se um motivo para comer melhor, compre mais, etc. Parece que o senso comum se dissipa e, em muitos casos, é comprado compulsivamente, sem levar em conta as conseqüências econômicas que isso causa; não devemos introduzir crianças nessa roda e devemos dar o exemplo.

Os especialistas alertam que o excesso de presentes retarda o amadurecimento intelectual das crianças, sendo no futuro as pessoas insatisfeitas consigo mesmas, já que nada será suficiente para elas, brinquedos sim, mas com moderação e conhecimento, essa é a diretriz que permitirá Nossos filhos valorizam o que receberam e, no futuro, são responsáveis ​​e capazes de apoiar a publicidade e o assédio consumista que ocorrem todos os anos.

É preciso dizer que as crianças são alvo de campanhas publicitárias e que a pressão exercida sobre elas é brutal, um constante bombardeio que não ocorre ao longo do ano. Nosso "não" deve sempre ser fundamentado e dialogado, um "não, porque não" só aumentará sentimentos negativos de frustração.

Via | Viva melhor Mais informações | Educar sobre bebês e muito mais | Bombardeio publicitário, crianças-alvo Em bebês e mais | No Natal, o objetivo é o público infantil Em bebês e muito mais | As crianças influenciam decisivamente as compras que fazemos aos pais Nos bebês e muito mais | Uma pequena dose de frustração os ajuda a crescer