Vire o bebê que vem das nádegas

  March, 2020  

Vire o bebê que vem das nádegas

As notícias foram divulgadas na mídia que o Hospital de Cruces, em Barakaldo (Vizcaya), desenvolveu uma técnica "pioneira" na Espanha que permite modificar a postura do feto dentro do útero quando colocado nas nádegas, reduzindo em 54% o número de cesarianas

Para iniciantes, a técnica não é nova, mas uma técnica bastante antiga que eles resgataram. A manobra é denominada versão cefálica externa, ou seja, girar o bebê por meio de movimentos das mãos na barriga da gestante. O médico (com a ajuda de uma parteira) realiza uma manobra para tentar mudar a posição do bebê, de forma que a cabeça seja abaixada para facilitar o parto vaginal. Isso só pode ser feito após a 37ª semana de gravidez, caso o nascimento ocorra.

Aparentemente, o risco da manobra é muito pequeno. É feito sem anestesia em alguns minutos e enquanto o médico o pratica, o bebê é controlado através de um monitor para detectar se ele pode sofrer estresse fetal.

Devemos dizer que nem todos os bebês que são colocados nas nádegas devem nascer por cesariana. Existem vários caminhos antes de recorrer a uma “primeira” cesariana. Além da versão cefálica externa (em algumas mulheres é contra-indicada), também existem certos exercícios que podem ajudar o bebê a se virar.

Se não houver uma maneira de inverter a situação e o bebê continuar em posição de pódio, em alguns casos também pode ser tentado o parto vaginal, desde que a mãe o deseje e o médico considere que não há risco para ela ou para o bebê.

A versão cefálica externa pode ser realizada em qualquer mulher com gravidez normal que não tenha tido sangramento vaginal, placenta prévia, baixo nível de líquido amniótico, ruptura de membranas ou gravidez múltipla.

Quais são os riscos que essa técnica pode ter? Pode haver parto prematuro, ruptura prematura de membranas, pequena perda de sangue e sofrimento fetal que podem levar à cesariana de emergência.

Os médicos que praticam essa técnica no hospital Baracaldo, onde foram evitadas 300 cesáreas nos últimos três anos, acreditam que a técnica quase não é praticada nas maternidades “por falta de conhecimento, falta de habilidade ou porque é mais confortável fazer cesarianas. "

Embora em 70% dos casos possa ser previsto, nem sempre é possível virar o bebê, ou isso pode ser alcançado e o bebê volta à posição da culatra.

A técnica não é infalível, mas é outra opção para evitar a cesariana, que é tão abusada e que representa um risco maior para a mãe e o bebê.

Via | Terra Mais informações | Médico da Família | Cochrane Mais informações | Universidade de Maryland em bebês e muito mais | Existe abuso de parto cesáreo? Em bebês e mais | Um bebê que vem de nádegas em bebês e muito mais | Exercícios para o bebê virar