30 anos após o primeiro bebê de proveta

  March, 2020  

30 anos após o primeiro bebê de proveta

Hoje marca três décadas após o nascimento de Louise Brown, o primeiro bebê concebido por fertilização in vitro, na época um tratamento sem precedentes da fertilização assistida, em que muitos casais inférteis viam a possibilidade de realizar seu sonho de serem pais.

A menina se tornou um símbolo, a história da medicina reprodutiva encontra um antes e depois do nascimento. Sem dúvida, foi um marco na história da humanidade.

A técnica consistia em unir artificialmente um óvulo com um espermatozóide pela primeira vez fora do corpo humano, aguardando a formação do embrião dentro de um tubo de ensaio e dividindo-o 64 vezes para implantá-lo no útero da mãe onde estava grávida.

Trinta anos depois, estamos testemunhando como essa técnica desconhecida foi aperfeiçoada, permitindo que mais de três milhões de crianças recebam vida em todo o mundo.

Estima-se que 200.000 bebês nascem por fertilização in vitro a cada ano. Obviamente, os avanços permitem que o sucesso do tratamento seja cada vez mais eficaz, há três décadas a porcentagem de gestações estava entre 12 e 15%, enquanto atualmente está entre 40 e 50%.

Ainda há muito a melhorar, principalmente em relação ao processo de implantação do embrião no útero e na redução do número de embriões transferidos para evitar partos prematuros em gestações múltiplas.

Os pesquisadores estão nele, mas por enquanto comemoramos a vida de todas as crianças nascidas graças a essa técnica nos últimos 30 anos.

Via | Infobae em bebês e mais | E três milhões de bebês ficam "in vitro" no mundo Em bebês e muito mais | A primeira "garota do tubo de ensaio" do mundo foi mãe